formula soma ao cubo soma pills marinada za soma

ambien sleepwalking death ambien without prescription ambien vs lunesta

ambien on 5 hour flight buy ambien online can you take ambien and tussionex together

aura soma für wiederverkäufer buy soma online soma earth architects toronto

celexa for tramadol withdrawal buy tramadol oline tramadol pdr

ambien slang names buy ambien ambien for flight to europe

did anyone take ambien while pregnant buy ambien online generic ambien what does it look like

soma online Victorville buy soma salata od fileta soma

purchase diazepam Richmond buy valium online liver disease and valium

xanax for school anxiety generic xanax xanax cause fever

BLOG

Realistic reviews about the web casinos ONLINECAZINOZ.com

Reviews Of Top notch Casino Places

  • Reviews the absolute best 20 Most desirable Casino Over the internet
  • Lawful Reviews of Internet Casinos
  • Reviews Of The best Gambling establishment Web-sites
  • Reputable Review of Internet Casinos
  • Portable Gambling establishment Reviews supportive iPhone, Android, BlackBerry
  • Reviews Of Leading Gambling house Internet websites

Slots are the most common United kingdom online casino video games, and then a healthy variety should be made available from an owner to suit their customer’s needs. Yet, there are more video game titles, which however, not typically as trendy, needs to certainly be provided to cater to all style. So whilst it is true that you’ll find a smaller selection of other games, like video poker, arcade games, and tables games, such as craps and baccarat, they should still be provided by any decent casino. When assessing and comparing this game assortment, we now have omitted the thrive dealer computer games. These seem to have been position to evaluation within the separate type, which you will learn more details on briefly. In conclusion, i believe, Slope offers the right video game decision. In addition they already have the greatest total availablility of adventures, with a incredible variety of slot machine games, additionally there is a decent equilibrium all across all activity forms, issuing several decision to all sorts of enthusiasts.

How High-quality may possibly be the Advantage Feature? Practically almost every owner presents some type of extra to compel you to enroll in their casino. There are many features available, from 100 % free spins to rate meets regarding your to start with deposit. We have dedicated a page specially to bonuses, as this is such a broad topic. Regarding the casino benefit article, there are actually all that you should know of the several perks being offered from every single casinos evaluations, as well as possess a see all inclusive casino reviews in acquire to track down the major usa online casino selection of online casino reviews that includes the the best web-sites to play for legitimate finance the main info linked with each one. So how does thefor each of the Gaming applications Check out? Get back on Participant can be confusing or dismissed by game enthusiasts. These particular stand exhibits the payment percentages all over all game for preferred operators. This illustrates the amount of all bets nestled every performance are paid back to competitors. It’s extremely important to be aware that these payout estimates are assessed within a long period of time as well as over many control, supplying a standard normal come back to participant. So, this is not the amount that you are guaranteed to win when you play a particular game. For example take the days the place where you play and playplay and walk down clear given, compared to those particular wherein chance looks to be on your side which means you end up with a amazing high profits. The greater the the lower the residence edge. You can even find some matches which lack the residence advantage totally, like Casino review articles, signifying the reaches to the extent that for several computer games.

Often the for each game is generally located in the adventure regulations concerning the casino web page. Various operators also share genuine payout assessments from 3rd party assessment organizations such as and describing the exact percentage returned to game enthusiasts all around specialized gameplay lists after a particular period of time. There are some casinos, such as Betway that list no information regarding the theoretical return for the individual games. Up to this point, they will do give precise payment experiences from eCOGRA detailing the actual degree sent back to individuals for slot machine games, poker games and table matches. This means that you lose the option of seeing specific details for particular games, but it gives you an overall picture of the average amount returned to players across various game categories. For this particular omission of detail, we subtracted a spot from. From the pursuits of transparency, we would like to see Betway include the theoretical for single game titles inside the adventure laws.

The differences in the payout rates at each of the casinos reviews we tested do not differ greatly, as you can see from this table. All deliver extremely high return to competitor percentages, with only negligible variations throughout the best and best payout fees, which you could see highlighted in reddish colored and natural green. Considering memorable gaming applications, like roulette and blackjack, the exact same figures are normally observed all across a large number of casinos, considering the set restrictions for this video games. The same thing goes for blackjack. Furthermore, there are actually smaller variance into the RTP of videos poker gaming applications. Concerning slot machine games, you will notice that the theoretical payout charges could vary from as much as. It’s due to this fact interesting to determine the activity laws for slots to fully understand that offer the foremost likelihood of successful. Any slot machines furnishing payout fees of here 90% simply do not give you fantastic bang for your buck when you think about how very high the can contact.

Everything the customer genuinely require to find Instagram Followers www.GRAMFEED.net

Did you know you may choose to get Instagram followers for just a couple of cash? And they are clamping down on this questionable practice because some believe it deceives fans, social networks are aware of this new phenomenon.

The media spotlight is once again shining on the purchasing of fake followers. Most recently, social media marketing gigantic Instagram reported that it becomes excluding all spammy profiles. The shot giving website isn’t the sole social networking software plagued with counterfeit balances. Its microblogging competitor Twitting has experienced specific troubles with the of faux followers. Instagram has recently did start to deactivate and for good get rid off these credit accounts. This approach will definitely influence bank account that make use of imitation participants, like writers, political figures, and the famous people. Whether or not purposely or maybe not, world stats have pretend followers. Over the political election strategy, previous Republican presidential prospect Mitt Romney out of the blue experienced a rise of 116,000 followers in a day of the week. Definitely, it may look trivial at the typical guy or girl. Why would another person acquire bogus followers on any social media marketing electric outlet? But this follower financial state is actually tremendous operation. A service provider that delivers this service can charge any where from $5 per 1000 followers to followers. According to the owner of Gramfeed.net, some agencies and clients spend more than per month to buy Instagram followers and likes, for instance. Even though solid declined to show users nicknames, it did be aware that various great organizations and a few considerable-identity musicians and artists are piece of its customers. Gramfeed.web buy followers on instagram employing effective provider best site to buy followers on instagram had been may perhaps purchase decision instagram followers sustains at least 55,000 people.

What things people have by using these something? Most certainly, to amount of money it: basically a selection. In actuality, these followers won’t be reposting any of the user’s content material, starting a connection, or favoriting tweets and content articles. All it will is indicate an immense following. To the common public, the accounts will look like favorite, which is certainly sufficient for eager purchasers. The social networking community is currently oversaturated in the recent years. Twitter has at least one billion dollars folks, even while Youtube has over 284 thousand. Thus, to purchase spotted into a short time, smaller- and channel-scale startups and businesses make the most of these services. Also, productive individuality possessing a sizeable fanatic base will make huge sums of greenbacks for promoting merchandise, liking makers, or retweeting remarks. This cranks out a significant magnitude of amount of pressure for World-wide-web movie stars to garner an immense immediately after to enjoy this comparable quality of prosperity. Tips on how to inform? personalities and Brands will more than likely rarely ever concede to purchasing social websites followers. After investigating several accounts, experts say some patterns and trends exist. As soon as you go through the bogus profiles, their followers, and who they’re following, some patterns come up. The vast majority of phony profiles commonly consider thousands of people and don’t have a lot of followers independently, stated former.

Carries on by stating, A subset belonging to the profiles they really are just after have an overabundance of than 10,000, and regularly buy 100,000 followers. Such greater credit accounts, similar to this one single for, are some of the types looking for artificial followers. In the end, the issue of getting a social media marketing pursuing isn’t really troublesome and most likely is not any kind of our number one challenges being environment. However, it may prompt the public to ask: is this Instagram files subsequent to all-natural or was it simply decided to buy? The skill of Buying Instagram Followers. Why would anyone want to purchase Instagram followers? That’s why, because they want to create social proof! With Instagram a digital vendors have a nice vast readers around zillion physically active end users and so it grows on a daily basis. It is now far more than a den of selfies and smiling hamsters, it is now the right way to elevate revenues for use on your operation. As of the middle of-2014 Starbucks and Nike has published about thousand Instagram pix blended! Unfortunately not everyone knows what your business is about which is why you can actually create social proof by purchasing Instagram followers and Likes, although everyone knows those two household brands. So what is social proof on Instagram? The very thought of friendly verification is caused by mankind effortlessly just after each other’s actions. 000 people are willing to follow you on Instagram, more are sure to follow the crowd if 2. Develop an Instagram following. Nothing replaces consistent social media content and use creation, but building a social media presence for a new start-up can be an uphill battle. Thankfully, usually there are some shortcuts that usually can be carried out. Right here are the 3 reasons to get some shortcuts and generate an Instagram subsequent. Investing in Instagram followers gets easy worth. You are obviously legitimate and interesting because so many people are willing to follow what you create,. That’s the general public has no idea your Instagram followers were purchased, all they will know. Pressure from peers grows. The standard Instagram operator will spot that many people carry out your illustrations and definately will believe emotional force to sign up to the audience. Your picture is heightened. Or average user, your image immediately receives more attention with the addition of more Instagram followers, if you are anexpert and celebrity. Your level is lifted to influencer along with the a great deal more social networking evidence you gain simply by greater quantities of Instagram followers. Why Must I Acquire Instagram Followers? Lots of things perform across the imagination for a end user when they are opting to order a service or employ a service. A survey discovered that of consumers research product reviews and social proof before making a purchase. In the matter of Instagram, followers are your testers so increasing your credibleness and representation can encourage people to purchasing what you are promoting. So go ahead, establish your brand and increase your social proof today by purchasing one of value packages – your future customers and increased sales will thank you.

Siga o Coelho

piti

 

A Páscoa passou e com ela os símbolos dos ovos, do chocolate e do coelhinho. Este bichinho que mais parece de pelúcia de tão fofo, irresistivelmente macio e cativante foi eleito o ícone-mor para esta data. Na edição passada da Revista IC/GO, para quem se lembra da coluna de arte, mas principalmente para quem leu, citei sobre o filme “A Origem dos Guardiões”, que abrange os personagens do Jack Frost, Papai Noel, Fada do Dente… Enfim o Coelhão! No filme ele é representado por um coelho másculo, tribal e atlético, que tem como narrador ninguém menos que Hugh Jackman. É bem legal ver esta nova perspectiva, mesmo porque ele, o Coelhão, é um guardião, um guerreiro, um defensor desta data comemorativa.

“(…) Alguns povos antigos relacionavam este animal com a chegada do fim           do inverno e começo da primavera, como um simbolismo do         “renascimento da vida”.         Os coelhos eram os primeiros animais a abandonarem as suas tocas quando a             primavera começava.”

(apud http://www.significados.com.br/coelho-da-pascoa/ dia 04/04/2016)

Daí o mito do coelho branco de “Alice no País das Maravilhas” (1865) na história de Lewis Carrol, que vai mais além. A sua relação com o inconsciente e autoconhecimento é muito mais profundo que nossa vã filosofia previa.

O tão aclamado ditado: “siga o coelho”, que ganhou adeptos dos finais do século 20, com o filme ficção Matrix, no qual “os membros da resistência eram aqueles que, em algum momento, enxergaram que a vida cotidiana era só uma trama, um programa de computador, uma ilusão. A realidade era um deserto em que os rebeldes lutavam contra ‘as máquinas’ num mundo sem beleza ou gosto” (Eliane Brum). O protagonista, representado pelo ator Keanu Reevers, o Neo, é convidado por uma bela garota, que o conduz até os personagens que o levarão a desvendar  esta realidade nua e crua. Mas o que isso tem a ver com o coelho? Bem, a garota tinha um coelho branco tatuado um pouco abaixo do ombro.

“Nós nunca descobriremos o que vem depois da escolha, senão       tomarmos uma            decisão. Por isso, entenda os seus medos, mas jamais        deixe que eles sufoquem os    seus sonhos. Siga o coelho. Não tenha medo             de entrar em lugares onde você acha que não cabe.” (Bruna Vieira)

A descida de Alice na toca ou a conexão hightech de Neo são ambas escolhas para o autoconhecimento, o sofrimento e a capacidade de enfrentamento ao desconhecido. Pode não ser lá uma experiência cor-de-rosa, com unicórnios e arco-íris adocicados, mas a realidade também não é assim. A senha “siga o coelho” é justamente o inverso da  calmaria, do bem-bom, dos contos de fadas, da tal famosa zona de conforto.

“Essa viagem ao interior de nossas próprias dimensões inconscientes é no   início uma experiência amarga porque corrói e porque é realmente desagradável      para as ilusões da consciência, mas quem paga o preço, arrasa. E encontra paz             interior            e mais auto-estima. Tudo bem que esses não são os prêmios mais cobiçados da   sociedade moderna, mas quem tem, valoriza. Também espera          encontrá-los nos outros           que vão compor sua família, seu grupo, seus queridos.    Não tem pra vender, o status não paga em nenhuma moeda do mundo. “Nosso ouro não é o do vulgo”, diz a           máxima           alquímica.” (Larissa Siqueira)

Outra curiosidade acerca do coelho é o seu significado no horóscopo chinês. Segundo alguns especialistas no assunto o coelho é o signo mais capaz de alcançar a felicidade, então vamos segui-lo, não é?! No entanto tudo tem o seu sentido contrário, o signo de coelho se machuca facilmente, podendo assim sofrer muito com pequenas decepções.

Ainda bem que o coelho tem essa aparência dócil e carinhosa! Dessa forma somos mesmo estimulados a segui-lo. Trago a imagem da obra do artista goiano, Pitágoras que interpreta bem os medos e anseios na nossa era contemporânea. Um mundo robótico e catastrófico que tenta associar a beleza e carisma que advém da natureza, bem dentro deste contexto contraditório dos nossos sentimentos. Desejo e medo, o que atrai e repele…

Sobre Réus, Reis e Reais

Mural para Rodoviária de Alto Paraíso - GO

O título parece soar bem apropriado à atual conjuntura política do país, porém e felizmente para mim, esta coluna aborda sempre a história da arte e da cultura brasileira.

Há tempos acompanho a saga de jovens talentos goianos. Percebi ao longo dos anos que alguns se sobressaíram mais que outros. Uns muitos são grafiteiros. Outros tantos, ilustradores ou designers gráficos. Mas poucos são verdadeiramente artistas de rua. Uma parte desses jovens permaneceu no universo limítrofe de temas constantes. No entanto, àqueles que emergiram e romperam a barreira da mesmice e do déjà vu. Cada um à sua maneira, cada qual com seu estilo. “Cada um na sua!”, como costumava repetir o slogan de uma propaganda de cigarros da minha época.

A questão é que um deles em especial sempre me chamou atenção. Seus desenhos, suas linhas, suas combinações de cores e formas me conquistaram mais. Talvez por causa da simplicidade à qual tanto me assemelho. Enfocou a temática brasileira, o naif ou primitivo, o caipira ou caboclo, o dócil ou selvagem. O talentoso Wesslei Gama Barbosa, o WÉS pintou em largas escalas as várias facetas da nossa multiplicidade étnica e conseqüentemente cultural. Deu continuidade ao brasileirismo um tanto iniciado pelo veterano Decy, que ocupou muros e fachadas do cenário urbano goiano, assim como as ilustrações dos livros de história ocupam as carteiras das salas de aula. Participou de interessantes projetos culturais onde a biodiversidade local e algumas pessoas de cidades do interior do Estado foram retratadas pelo reconhecimento afetivo da comunidade onde vivem. Assim como num ciclo que se renova apresento um curto recorte da história da arte brasileira que remete à nossa formação étnica. O Romantismo marcou a beleza naturalista indígena nas obras ícones: “Moema” (1835), de Victor Meireles e “Iracema” (1881), de José Maria de Medeiros. Entre as décadas de 1920 e 1930, o Modernismo de Cândido Portinari e Tarsila do Amaral marcou a nossa brasilidade com o “Mulato” e o misto racial de “Operários”, respectivamente. A artista contemporânea, Adriana Varejão teve inspiração em um censo do IBGE de 1976, no qual foi feita uma pergunta aberta aos brasileiros: “Qual a sua cor de pele?” e desenvolveu junto à uma indústria de tintas mais de 30 tons de cores. Varejão pintou dezenas de auto retratos na temática da miscigenação para sua mostra “Polvo”, em 2014.

O artista WÉS também levanta algumas questões acerca da miscigenação. Seus temas tampouco abordam a realeza, reis ou heróis. Abordam sim, pessoas reais, pessoas mestiças. Ele enxerga a beleza da simplicidade, a pureza do desapego, a grandeza de ser pequeno. Pinta com ousadia, na cor do ébano, o primeiro casal bíblico e seus descendentes. Enaltece a cultura brasileira enfocando fauna/flora e as registra em becos/vielas, sem medo de hesitar. Mesmo quando a lei o reprime, ou quando a crítica do mercado vigente “torce o nariz”.

WÉS nos propõe críticas e questões sobre a sociedade, resta saber se estamos prontos e dispostos a enxergá-las e solucioná-las. Réus, Reis ou Reais?

Mito e Arte sobre Unicórnios e Rinocerontes

Rinoceronte de Dürer oti

Rinoceronte vestido com puntillas. Salvador Dalí. oti

 

 

 

 

 

A verdadeira origem sobre os unicórnios ainda é uma incógnita, embora cientistas e artistas tentam desvendá-la há milênios. Muito difundido na simbologia da Antiguidade e da Idade Média, conhecem-se, no entanto, escritos sobre este animal muito mais antigos, alguns dos quais remontam o século IV a. C., como os do historiador grego, Ctésias de Cnido, que  redigiu textos sobre alguns animais fabulosos da Índia.

No século XVII o italiano, Dominico Zamperi executou arabesco no Pallazzo Farneze, de Roma retratando o ser mitológico adormecendo nos braços de uma donzela. No mesmo século o astrônomo alemão, Johannes Havelke ou, dito Hevelius  introduziu  a constelação equatorial de Unicórnio, ao norte de Cão Maior.

De poderes mágicos e curativos, o mito selvagem seria domado apenas pela pureza de uma virgem.  Há quem o diga que habitaram a terra nos tempos da pedra lascada (o Elasmotherium sibiricum), ou que uma espécie de ossada com defeito genético variando sua biologia e a exceção da regra, tivesse sido erroneamente catalogada. Talvez por causa de algumas semelhanças, como no caso dos chifres dos narvais, os unicórnios-do-mar ou ainda mais hipotético, às semelhanças com o primo mais próximo, mas não ruminante, o rinoceronte anão, de apenas 1,2m.

Habilidades mágicas e curativas são alguns dos dons deste ser fantástico, que esteve presente em meados dos anos 80 nos famosos desenhos animados, como o da princesa “She-Ra” e “A Caverna do Dragão”, ou no filme A Lenda , de Ridley Scott, que estreou Tom Cruise no cinema. No início dos anos 90 ele é citado numa das séries de “Harry Potter”, escrito por J.K.Rowling e metaforicamente idealizado, por Steven Spielberg em “As Aventuras de Tin Tim – O segredo do Licorne”, de 2011.

De relatos em relatos, lendas ou filmes, ele teria surgido de antigos registros e pesquisas arqueológicas no pêlo branco de um ungulado com um único chifre na testa e com o mito fortalecido através dos contos de fadas.

Li na Enciclopédia Cultural Laureasse que além das cinco espécies ainda existentes de rinoceronte, o rinoceronte-indiano leva o nome, Rinhocerus unicornis. Alguns possuem um ou dois chifres, assim como algumas espécies também se diferem pelo tamanho da boca e temperamentos.  Embora sejam fortes e robustos, apresentam três dedos em cada pata e são animais herbívoros. O rinoceronte-branco é o mais pesado dos mamíferos africanos, podendo chegar a 4 toneladas. Na verdade ele não é branco, é cinza. O nome se deve a um erro de tradução e não à cor da pele.  Com grande risco de extinção, hoje paga se preço de ouro pelo seu chifre. O chifre do rinoceronte é utilizado sob a forma de pó por suas supostas propriedades para aliviar a febre, manter a potência sexual em qualquer idade e até combater o câncer. A caça à esse tesouro vem causando perdas irreparáveis ao ciclo de vida desses animais.

Uma das marcas líderes do segmento de urbanwear, a Ecko escolheu o contorno da figura do rinoceronte como sua logomarca e quando questionado, seu fundador argumenta: “são os únicos animais de quatro patas que não andam para trás”.

Uma famosa marca de carros japonesa aproveitou o lançamento publicitário de um novo veículo, em 2009 e usou a imagem do animal como referência e analogia à sua força, tração e impacto.

No filme de Woody Allen, Meia Noite em Paris (2010), o artista surrealista espanhol, Salvador Dalí interpretado pelo o ator, Adrien Brody, tem uma epifania no meio de uma conversa e cita repetidamente: “I see rinhoceros, I see rinhoceros…”. Bem da verdade é que Dalí executou uma série de obras com o bicho. Rinoceronte vestido com puntillas é uma escultura em tamanho real, do ano de 1956, que está localizada em Marbella, na Espanha. Seus detalhes e referências são baseados no Rinoceronte de Dürer, intitulado assim por causa de seu autor, o renascentista nórdico alemão Albrecht Dürer, que esboçou o animal, em 1515 baseado em relatos descritos sobre um rinoceronte indiano.

No documentário,  A Caverna dos Sonhos Esquecidos (2010), do diretor Werner Herzog, é possível observar um antigo ascendente do rinoceronte nas pinturas rupestres da caverna de Chauvet, na França, há milhares de anos atrás.

A bióloga Nurit Bensusan se inspirou nos versos de Pablo Neruda e escreveu o livrinho Quanto dura um rinoceronte (2012), que trata com seriedade a extinção do animal. As divertidas ilustrações foram concebidas por Taísa Borges.

Ferreira Gullar também entrou na dança e elaborou o livro infantil A menina Cláudia e o rinoceronte (2013), onde a cada página seus poemas expressam a tentativa da protagonista em moldar a imagem do bicho com pedacinhos de papéis.

A idéia de contar um pouco sobre estes mitos surgiu quando, navegando nas redes sociais, encontrei um desenho que ilustrava um rinoceronte em bicas, numa esteira de academia e, ao seu lado, colado na parede, o retrato de um imponente unicórnio branco. A moral da história vinha com o slogan:“Nunca desista de seus sonhos!”

Histórias, lendas, mitos ou fatos os unicórnios e os rinocerontes construíram no imaginário coletivo a crença do acesso ao poder em contraponto à perda da inocência. O bem e o mal, a cura e a doença, a vida e a morte. Duas versões com o mesmo propósito, atingir o poder através do chifre.

Surrealismos e realismos juntos num inesquecível casamento de possibilidades!

Valor Cultural

Flor - Oscar Niemeyer oti

Foi aos 7 anos de idade que Hans Stern começou a freqüentar o atelier do paisagista Roberto Burle Marx, no Rio de Janeiro, início da década de 1940. Vindo fugidos da guerra na Alemanha, ele e sua família se instalaram no berço esplêndido do país tropical e absorveram em primeira mão as maravilhas, os desgostos, sucessos e fracassos deste constante vai e vem da vida, como assim o é nas ondas  do mar. Essa brasilidade tocante despertou no pequeno Hans o desejo pelas “coisas” de tal território, suas cores, diversidades, seus brilhos, enfim, suas pedras preciosas.

Passados mais de meio século, seu primeiro filho, Roberto Stern também despertara acerca das riquezas naturais do país do Carnaval, no entanto confessa que deixou de priorizar as pedras preciosas para valorizar o design das jóias. Essa sacada inspirou o jovem Stern numa estratégia ousada, corajosa e arrojada.  Ele agregou às jóias da marca o status cultural elegendo o conceito e o design da peça antes do “academicismo” da joalheria clássica e o exagerado espaço ocupado pelas pedras. A começar pelo diário de bordo do fotógrafo escocês, radicado em NY, Albert Watson, que assina as belas imagens no catálogo de jóias de 1998. O catálogo é um misto de arte, fotografia, arqueologia e descrições reflexivas, documentadas provavelmente por um cientista social. Suas invenções cenográficas nos levam a crer que uma antiga civilização já cultuava a estética e o design como qualidade de vida, adornados com pinturas corporal, borboletas, lama, fibras naturais e ouro.

A via crucis da ruptura com as convenções da joalheria clássica não parou por aí. Os Stern’s abrangeram tematicamente todas as áreas das artes , como no catálogo Orbis Descriptio, com marcas da cartografia cravadas no metal precioso, assinado pela artista plástica Anna Bella Geiger, ou na moda onde nomes da alta feminidade brilham como Constanza Pascolato e Diane Von Furstenberg, ou ainda no contraste étnico da música urbana de Carlinhos Brown, ou em mais contrastes como no design simples e sofisticado dos Irmão Campana, também nos movimentos da companhia de dança mineira O Corpo e por fim nas curvas arquitetônicas de Oscar Niemeyer.

A H.Stern ousou sem abusar, criou peças com uma sutil delicadeza, respeitando ao máximo as características de cada personalidade, desenvolvendo coleções ultrajantes que põe em xeque os valores reais de uma jóia de design ou de arte. Esse diferencial unânime nas jóias da marca ressalta o valor cultural agregado ao valor de mercado através de peças assinadas por quem tem algo a dizer ou a mostrar.

“A razão é inimiga da imaginação”( Oscar Niemeyer)

O enigmático

tunga oti

Penso ser bem apropriado, nos tempos de hoje, um artista brasileiro ter o apelido de Tunga. Mais comum em países subdesenvolvidos, a tungíase é uma doença infecciosa de pele causada pela fêmea (Tunga penetrantes), o vulgo bicho-de-pé. Antônio José de Barros Carvalho Mello Mourão é o Tunga, um enigmático cidadão do mundo, que além de conservar um mistério acerca da localidade de seu nascimento, sempre nos surpreende com obras estranhamente familiares e extremamente intrigantes. Pois foi assim mesmo que me senti! Acometida misteriosamente pelos sintomas de uma incessante coceira e irritação nos nervos, que ora aliviava, ora agravava, ao meu primeiro contato com o livro “Tunga – Barrocos de Lírios”, editado pela Cosac & Naif, em 1997.

O livro traz uma poética trajetória artística com registros fotográficos e primordial diagramação, dada a qualidade das imagens dos trabalhos e suas descrições. Desde então o que mais me intrigava era o complexo enredo que o artista criara sobre sua obra Xifópagas Capilares (1985). Através de cartas e poemas dum dinamarquês, o texto no livro, intitulado Xifópafas Capilares entre Nós, descreve o mito de origem de um povo nórdico e relata o nascimento de xifópagas e capilares, que gerou discórdia, discussões e desavenças no país. A narrativa abrange atitudes morais da sociedade e coloca em evidência preconceitos e a salvação através do amor. Depois de lido e relido, recordo-me ainda de divagar à respeito da Rapunzel, cujo final da história, em algumas versões, conta que tendo sido cortados seus cabelos pela bruxa, passa longo período de fome no deserto, mas reencontra seu príncipe e vivem felizes com suas filhas gêmeas no reino.

Tunga dedicou este livro à sua mãe e à sua tia.

Em outubro de 2010, numa entrevista do artista à Revista Piauí, dei por mim que suas obras tem um sentido muito mais profundo que supostamente acreditava. Seu avô, Antônio de Barros Carvalho era muito amigo do famoso artista Alberto da Veiga Guignard, que em 1940 pintou a tela, “As Gêmeas”. As irmãs eram Léa, mãe de Tunga e sua tia, Maura. Quarenta e cinco anos depois, Tunga apresenta a performance Xipófagas Capilares, onde duas meninas compartilhavam uma cabeleira enorme.

Trago aqui recente  imagem de Lézart (1989), que está na Galeria Psicoativa de Tunga inaugurada em 2012, no Instituto Inhotim. A sensação que tive ao revisitar sua obra foi aquela coçadinha que alivia e até desperta um certo prazer, entretanto este é apenas o início de uma “infecção psico-artística”. Uma reflexão à respeito de alguns valores humanísticos há de nos penetrar paulatinamente, muito além da pele.

Comungo com as observações do curador Luiz Camillo Osório: “Todo mundo concorda que os trabalhos dele falam do inconsciente, do desejo e da transformação biológica de suas obras, mas esses temas complexos problematizam ainda mais a sua produção (…) apesar de sempre ter tentado entender o Tunga, nunca consegui de fato. A graça dele está nesse enigma.”

xipofagas capilares oti

O prazer do movimento na arte brasileira

Me propus o desafio de fazer um ensaio bem resumido, sem qualquer pretensão, mas com alguma emoção, acerca da surpreendente história da arte brasileira baseado nas minhas experiências, estudos e pesquisas de campo.

O sociólogo pernambucano, Gilberto Freyre trouxe uma interessante passagem do historiador suíço, Siegrief Giedion, no seu livro Casa-Grande e Senzala (1933), em nota de rodapé, sobre o processo de mecanização da rede indígena ou cama brasileira (Brazil bed) e a mecanização baseada em mobilidade:

“Desse processo se aproxima (segundo o suíço), a arte do escultor norte-americano, Alexander Calder (1898-1976), na qual a obsessão do artista pela solução dos problemas de movimento teria encontrado a sua primeira expressão artística. A rede, entretanto, pode ser considerada manifestação já artística do gosto do repouso combinado com o prazer do movimento, que se comunicou dos indígenas da América aos primeiros conquistadores europeus do Continente, entre os quais Cristovam Colombo, em 1492.”

Os indígenas, intuitivamente, já compreendiam bem desde a fenomenologia do filósofo francês Merleau-Ponty às teorias estéticas publicadas no De Stijl, pelo artista neerlandês Theo van Doesburg, apenas em observar o meio ambiente. Do artesanato à arte erudita o salto equivalente se deu através da elaboração de fabulosos cocares, minuciosas tecelagens e trançados em palha, sofisticadas pinturas corporais e as formas orgânicas em artefatos domésticos e utensílios para caça e pesca perfeitamente confeccionados para o uso diário.

O esmero do trabalho artístico indígena traduzia uma celebração à vida, aos deuses e principalmente à natureza.  Acredito que a arte brasileira nasceu deste contato puro e ingênuo com a terra, com o movimento das águas e a biodiversidade. Foi a inexata geometria indígena que inspirou nossos primeiros artistas, nossos mestiços, antropófagos, grupos revolucionários ou de ruptura, à frente de seu tempo, neoconcretos, verdadeiros vanguardistas. Depois da Revolução Industrial, do Futurismo, do Suprematismo, do Abstracionismo e demais “ismos” que vieram do outro lado do oceano, ascenderam se as faíscas para uma retomada às referências genuinamente brasileiras.

A Semana de Arte Moderna (1922), como efeméride da Independência da República, teve sua grande parcela de responsabilidade quanto à ânsia de nos alimentarmos das culturas alheias, no entanto foi o Movimento Neoconcreto (1959) quem abraçou a pureza das formas e cores se aproximando mais ainda das nossas origens, dos efeitos geométricos em constante transição, da graça e mistério na interação com as obras, do prazer combinado com o movimento.

O Neoconcretismo catalisou os efeitos seguintes da arte brasileira se desdobrando em ideais de interatividade como em obras da Nova Objetividade na década de 60, transmitindo posteriormente estes mesmos ideais para obras conceituais da década 70, assim como a poesia concreta da década de 80, em movimentos urbanos, que democratizam e interagem com a cena da cidade como o grafite, se expandindo na fotografia, artes cinéticas, robóticas e ainda invadindo a linha tênue entre arte e design em projetos de iluminação, gráfico e moda.

O prazer do movimento associado à participação ativa ou passiva sempre fez parte da nossa cultura, ele apenas descobriu outros meios de se manifestar artisticamente ao longo dos séculos!

Hélio Oiticica e Neville D’Almeida, Cosmococa 5 Hendrix War, 1973, projetores, slides, redes, trilha sonora (Jimi Hendrix) e equipamento de áudio, dimensões variáveis, blog Instituto Inhotim oti

Crédito para imagem: Hélio Oiticica e Neville D’Almeida, Cosmococa 5 Hendrix War, 1973, projetores, slides, redes, trilha sonora (Jimi Hendrix) e equipamento de áudio, dimensões variáveis. Blog Instituto Inhotim

Uma carta para Léo

leo

Caro Léo,

impulsionada pela admiração e orgulho que tenho dos talentos goianos, me dei a liberdade de relembrar alguns momentos de minha vida em que você esteve presente.

Recordo de sua visita para uma conversa serena com minha mãe, Marina Potrich, nos fiz dos anos 90, na nossa Galeria de Arte, no Jardim Goiás. Vocês articulavam uma exposição muito mais criativa e ousada que a recém terminada mostra de desenhos seus, em 1998. Recordo ainda da minha ingênua aproximação, assim como uma aluna solicita ao mestre (na época você lecionava na UCG), para me auxiliar no desenho técnico de uma obra do artista Amilcar de Castro. Pobre de mim, horas intermináveis para que você solucionasse em segundos.

Dois anos depois, em 2001 você apresenta a mostra individual “Quadrado Entre Aspas”, um misto de objetos de arte, mobiliário e peças de decoração. Exponho entre minha singela coleção de arte, no entanto, exibo apenas para os íntimos, a luminária em placa de vidro na caixa de madeira que vem com a exclamação: FAÇA SEXO!, entre cores quentes e frias, que fez parte da mostra. Amo toda vida!

Em 2006 você aceita, para nosso enriquecimento cultural, ministrar a palestra sobre sua visita à feira de móveis de Milão para o Projeto Cultural “Olhar Crítico sobre a Arte”. O projeto aprovado através da Lei de Incentivo foi um circuito de palestras realizado em nossa Galeria de Arte, onde você selecionou imagens do trabalho dos brasileiros Irmãos Campana que se destacaram na feira, além de expor seu ponto de vista e perspectivas sobre arte e design!

Mas foi em 2008 que eu vi você sair literalmente da zona de conforto e se arriscar numa área que reluz. A mostra de jóias no Centro Cultural Oscar Niemeyer, na minha opinião, foi a mais surpreendente de todas as mostras de arte já realizadas por lá. Seu talento e a composição estética da montagem e curadoria ficaram expressas em pequeninas miudezas valiosas. O contexto artístico aliado ao design tomaram formas majestosas em suas jóias, suas fotos, suas tatuagens, sua pele e seu pêlo. Você se “despiu” de dogmas e paradigmas e eu delirei!

Em 2011, depois de visitar a Casa Cor (donde pairava um estrondoso banner de um boneco nu com o seu rosto impresso), folhear seu livro, admirar sua arquitetura, ler as caseiras confissões do companheiro Marcelo e refletir sobre o texto do amigo Jean Bergerot , decidi por fim,  reproduzir a última frase que te define tanto:

“E hoje, depois de tantos anos eu descobri que quanto mais ele se doa, maior ele fica.”

Daí por diante dispensarei mais recordações a não ser quando nos encontramos há uns dois ou três anos atrás, na piscina olímpica do condomínio onde mora e você me cumprimentou diante de algumas crianças que brincavam por ali, e após um ligeiro mergulho, se despediu. Uma deles me perguntou quem você era e eu novamente ingênua respondi: “Ele é o Léo Romano, um dos maiores arquitetos do Estado de Goiás.” Se fosse hoje teria dito que é também um dos maiores designers do nosso país!

Léo, continue nos encharcando com suas chuvas de criatividade!!!                                                                                                                                                                                                                                                                                        Atenciosamente,                                                                                                                                               Tatão

JÓIAS, CHAMPAGNE E LUXO PARA TODOS

hotel + campana

O maior concurso de jóias do mundo realizado pela AngloGold Ashanti promoveu, em 2006, uma videoconferência com transmissão para mais de oito capitais  do país, onde estive presente, em Brasília. A videoconferência foi ministrada por várias entidades, dentre elas o presidente da mineradora e a dupla de designers brasileiros Humberto e Fernando Campana. A palestra se deu entre imagens avassaladoras do Brasil como o Carnaval, as favelas, os aterros sanitários, o artesanato popular e os camelódromos, as praias e as mulheres, a biodiversidade e finalmente as contradições sociais de um país tão grande e diversificado. O objetivo foi instigar o grupo de ouvintes a uma investigação minuciosa de nossas origens e a capacidade de organização das imagens e idéias à pesquisa do produto final, isto é a jóia conceitual. Este foi meu primeiro encontro indireto com a dupla, que esplendorosamente nos deixou uma mensagem muito sincera, o inusitado se encontra nas coisas mais simples.

 

No ano de 2010 finalmente os conheci pessoalmente no lançamento do livro Complete Works Campana Brothers (so far), numa loja de decorações em Goiânia. A mostra de design trouxe alguns dos mobiliários da dupla, como a linha de cadeiras Sushi e, claro a presença dos designers para a noite de autógrafos. Simpáticos e pacientes, Fernando e Humberto curtiram a tietagem goiana e nos contemplaram num encontro com a magnitude do design brasileiro que foi e é reconhecido e premiado mundialmente. Desde o mais experiente profissional ao mais curioso e inocente convidado, as formas, cores e materiais atraíram os olhares e atenções, isso porque suas obras transcendem as fronteiras entre arte e design. Eles ignoram todas as convenções do design tradicional, brincam com a noção de funcionalidade e formam seus objetos poéticos a partir de realidades contraditórias.

 

Humberto queria ser índio. Fernando astronauta. Os irmãos faziam os próprios brinquedos desde crianças e a infância no campo foi determinante em seu trabalho. Conta Humberto, em entrevista à Revista Casa Claudia que, “… a gente queria fazer uma fusão entre caipira e urbano (…). Vivemos num país naif, caótico, colorido e, logo percebemos que teríamos que trabalhar com a imperfeição.”

Uma dessas imperfeições foi parar no Hotel Du Marc, na França. “La Gloriette” dos Campana foi feita sob medida para a Veuve Clicquot. Nos antigos palácios europeus, desde o século XII e hoje, em espaços que possuem áreas para jardinagem, a edificação gloriette (gloire do francês que significa pequeno cômodo) é muito apreciada por moradores e visitantes. Situada em local alto de destaque a obra é um misto de técnicas arrojadas e do romantismo do século XIX, num moderno gazebo que simula o crescimento das vinhas. Sua cor faz alusão às folhagens dos vinhedos e principalmente ao rótulo do champagne mais desejado do mundo.

O luxo de suas criações vai além do mobiliário. Os Campana em parceria com a joalheria H.Stern criaram uma coleção formidavelmente criativa e inusitada. Movimentos, articulações e originalidade são um dos adjetivos das jóias que mais se parecem obras de arte. Inspirado nas madeirites, nos papelões de embalagem, tubos plásticos, cordas, ralos, casulos e texturas orgânicas a dupla nos surpreendem quando integra o rústico à técnica da ourivesaria. Roberto Stern, em prefácio do catálogo Campana descreve: “São ousadas, uma ruptura com o tradicional e um passo adiante em tudo que é feito atualmente em joalheria. O resultado foi registrado neste catálogo pelo olho mágico do fotógrafo suíço Michel Comte. Ninguém mais sensível do que ele, que divide seu tempo entre fotos de celebridades e de guerras, para interpretar um trabalho nascido de contrastes.”

 

Mas não só os nobres têm acesso aos produtos Campana. A marca Melissa lançou uma linha de sapatilhas e bolsas assinadas pela dupla. Também foram convidados pela grife francesa Lacoste para inventar, brincar e adestrar seus lindos jacarezinhos. É verdade que algumas peças tiveram edições super limitadas, contudo os designers também formataram suas embalagens exclusivas, em palha e lona.

 

Em comemoração aos 150 anos do Grupo Monte-Carlo SBM, a dupla abriu a mostra Dangerous Luxury que foi até o dia 20 de julho deste ano, no Salão Sporting d’Hiver, em Mônaco, onde interrogou o público acerca do conceito do luxo e sobre como um objeto popular ou do cotidiano pode se transformar em objeto de luxo.

 

Simples e sensíveis estes sonhadores transformam o lixo em luxo, o rústico em sofisticado, o artesanal em larga escala. Adeptos à sustentabilidade e trabalhando pela “humanização do design”, tem como prioridade o respeito ao meio ambiente e a natureza. Carinhosamente relembram a infância na cidade de Brotas, em São Paulo e guardam lembranças de histórias e feitos, como a primeira casa na árvore. Enquanto Humberto cria seus objetos como um artesão e artista autodidata, Fernando participa como um arquiteto experiente. Uma união perfeita entre familiaridade e  profissionalismo. Um casamento que realmente nos enchem os olhos e a alma! Vida longa ao talento desta dupla brasileira!

 

TATIANA POTRICH